Orfeu e Perséfone, o caos e a metamorfose: Uma literatura de quase morte

Authors

  • Biagio D'Angelo

Abstract

No princípio era o caos. E o caos, massa informe e confusa, representava o aspecto da natureza por todo o universo, germes discordes de coisas mal combinadas, como Ovídio descreve poeticamente na introdução das Metamorfoses. O caos é o início da reflexão ovidiana sobre a origem das realidades do cosmos (homens, animais, objetos), um caosmos que a escrita torna elemento criativo, produtor de novos pensamentos e novas dinâmicas cognoscitivas.

Published

2012-07-01

How to Cite

D’Angelo, B. (2012). Orfeu e Perséfone, o caos e a metamorfose: Uma literatura de quase morte. Verbum – Analecta Neolatina, 13(1), 51-52. Retrieved from https://verbum-analectaneolatina.hu/index.php/verbum/article/view/492

Issue

Section

Critica